Google+ Badge

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Obesidade e sedentarismo fazem crescer o diabetes tipo 2

De acordo com a American Diabetes Association (ADA), há 50 anos o diabetes tipo 2 representava menos de 3% de todos os novos casos diagnosticados entre crianças e adolescentes. Hoje, nos Estados Unidos, ele é responsável por até 30 em cada 100 casos. No grupo dos adolescentes, segundo um estudo publicado no Journal of Pediatrics, a incidência do tipo 2 ultrapassa a casa dos 45% dos novos casos de diabetes.

A principal causa é o aumento das taxas de obesidade, principalmente obesidade severa, e a falta de atividade física. "A obesidade está crescendo entre crianças de todas as idades, em ambos os sexos, em todos os grupos étnicos e classes sociais. Com o aumento das taxas de obesidade, maior a probabilidade de mais diagnósticos desta doença", afirma Mauro Scharf, endocrinologista do Frischmann Aisengart/ DASA e um dos maiores especialistas em diabetes do Sul do Brasil.

No Brasil o tipo de diabetes mais comum em crianças e adolescente ainda é o tipo 1, que ainda não tem suas causas totalmente descobertas. "Mas não existem pesquisas brasileiras oficiais sobre o tema", alerta Scharf, portador do CRM 13009 PR.O endocrinologista lembra que o estudo publicado no Journal of Pediatrics também encontrou uma ligação entre os pais de crianças com diabetes tipo 2 e seus filhos. Segundo os pesquisadores, existe um padrão: onde existe um crescimento de taxas de diabetes entre adultos, mais tarde o mesmo crescimento é observado entre essas crianças.

Para Scharf, os pais que desejam reduzir o risco do diabetes para as suas crianças têm de instituir um maior número de tarefas em casa. Uma das sugestões é limitar a TV e separá-la da hora das refeições, a fim de evitar a associação. "É recomendável também uma conversa com o pediatra, caso exista um histórico ou suspeita do diabetes 2 na família", finaliza.

Sobre o Frischmann Aisengart Medicina Diagnóstica O Frischmann Aisengart tem 65 anos e é considerado uma referência para o segmento de medicina diagnóstica na região. Com forte presença nas áreas hospitalar e ambulatorial é o líder de mercado na capital e Região Metropolitana. Possui mais de 600 colaboradores e 35 unidades. São mais de três mil tipos de exames de análises clínicas que contemplam serviços e soluções diferenciados com qualidade, rapidez e alto padrão de atendimento, como a coleta domiciliar e vacinas.
Fonte : Revista Fator

Nenhum comentário:

Postar um comentário